4 de maio de 2014
























quando nasce
um poema

o poeta tem

morte certeira

é possível ver

no futuro texto

a funda cicatriz

do recomeço


Juliana Meira
A imagem é "Ballerina in a Death's Head", obra de Salvador Dali datada de 1939.

7 comentários:

Grace Kitano disse...

Oi Ju! Adorei seu blog, muito bonito e cheio de mensagens maravilhosas!
Parabéns!!!
Beijinhos querida!

03maio disse...

Se o poeta é coisa morta depois de pronto o poema... ganha o direito de renascer após a cria se livrar do criador; e este, inicia de novo o sempre "lutar com palavras".

Conseguiu de novo, irmã.

Signa: Gustavo

Juliana Meira disse...

Grace, grata pela leitura. bem-vinda ao tempoema! abraço!

.

Gustavo, grata por registrar tua impressão. abraço!

Domingos Barroso disse...

poema genial,
genial...

Juliana Meira disse...

Domingos, grata.

Fernanda Rodrigues disse...

Você foi certeira nas palavras. :)
No fundo, é isso mesmo! :P

Um beijo,

http://www.algumasobservacoes.com/

Juliana Meira disse...

Fernanda, obrigada. Abraços!

4 de maio de 2014
























quando nasce
um poema

o poeta tem

morte certeira

é possível ver

no futuro texto

a funda cicatriz

do recomeço


Juliana Meira
A imagem é "Ballerina in a Death's Head", obra de Salvador Dali datada de 1939.

7 comentários:

Grace Kitano disse...

Oi Ju! Adorei seu blog, muito bonito e cheio de mensagens maravilhosas!
Parabéns!!!
Beijinhos querida!

03maio disse...

Se o poeta é coisa morta depois de pronto o poema... ganha o direito de renascer após a cria se livrar do criador; e este, inicia de novo o sempre "lutar com palavras".

Conseguiu de novo, irmã.

Signa: Gustavo

Juliana Meira disse...

Grace, grata pela leitura. bem-vinda ao tempoema! abraço!

.

Gustavo, grata por registrar tua impressão. abraço!

Domingos Barroso disse...

poema genial,
genial...

Juliana Meira disse...

Domingos, grata.

Fernanda Rodrigues disse...

Você foi certeira nas palavras. :)
No fundo, é isso mesmo! :P

Um beijo,

http://www.algumasobservacoes.com/

Juliana Meira disse...

Fernanda, obrigada. Abraços!