14 de maio de 2008


O amor é uma droga pesada
(Maria Rita Kehl)

Como se eu fosse velha muito velha
pela milésima vez correndo essas estradas
aqui barranco de terra vermelha ali capim-gordura
incendiado ao sol
a casa pobre bucólica só de longe
o gado magro o arame farpado o vira-lata caipira
e eu mulher muito velha
voltando mais uma vez da viagem sem esferas
com minha inútil bagagem de antigos registros
sentimentais.
brasileiros.

o amor é uma droga pesada
perde-se a exata dimensão da vida e
o retorno é lento, cheio de falsas visões
cold turkey
me quero de volta e que esses matos voltem a fazer
sentido
sinto falta do mundo sintetizado em sua ordem nos
meus
pensamentos
não esse oco reverberando
mandalas nos ossos do crânio
não a dissolução de todas as certezas
o mundo apenas a sua representação
me contendo me dizendo
a que pertenço afinal
o amor é uma droga pesada
e eu uma velhíssima mulher
gozando pela milésima vez a viagem infernal.


Maria Rita Kehl é psicanalista, poeta, ensaísta. Escreveu dentre outros, "Imprevisão do Tempo" (1979), "O Amor é uma Droga Pesada" (1983), "Processos Primários" (1996). Seu trabalho pode ser acompanhado em: www.mariaritakehl.psc.br/ Ilustra os versos "O beijo", pintura de Gustav Klimt.

6 comentários:

Renato de Mattos Motta disse...

pesado como paixão
que te arranca do cotidiano
e te joga na cama.

Juliana Meira disse...

isso aí poeta Renato!
mas alguém já disse: "a paixão passa" ..
o amor é que é a droga pesada!
(=
obrigada por tua presença!

Alexandre disse...

sim sim sim
Maria Rita Kehl.
"O amor é uma droga pesada"
coisa mais óbvia!

mas o que que tu quer?

entrou
por um dos sete buracos
da minha cabeça essa droga.
entrou. ficou. nem avisou.
não foi mais embora.
e pesou fundo no coração
pelo caminho da aorta.

o meu poema
agora conversa com dois poemas
dois poetas.

quanta glória. a mim
que mal sei ver as horas.

válha-me Deus nossa senhora!

p.s.
tudo isso pra dizer
que meu poema "Guarujá"
citava, sem saber, o poema
que dá nome ao livro da
Maria Rita Kekl. mas terão
de ir lá no meu blog pra conferir.

:)

belo post Ju.
teu blog tá cada vez melhor,
mais afú!

Juliana Meira disse...

tem razão
entra. fica.
que mandar aviso que nada
amor é mesmo droga pesada

diz Maria Rita Kehl
na poesia no título do livro..
e

“não é melhor em pasárgada
mas se o guarujá passa
antes fosse amigo do rei”

diz você Alexandre Brito

(=

ps.: isso aí poeta Alexandre! o poema "Guarujá" do começo ao fim pode ser lido e relido em:
www.alexandre-brito.blogspot.com/
e tenho dito.

Denise disse...

Quero sempre ser dependente dessa droga rsrsrs

Juliana Meira disse...

Denise!
q tri vc por aqui
(=

14 de maio de 2008


O amor é uma droga pesada
(Maria Rita Kehl)

Como se eu fosse velha muito velha
pela milésima vez correndo essas estradas
aqui barranco de terra vermelha ali capim-gordura
incendiado ao sol
a casa pobre bucólica só de longe
o gado magro o arame farpado o vira-lata caipira
e eu mulher muito velha
voltando mais uma vez da viagem sem esferas
com minha inútil bagagem de antigos registros
sentimentais.
brasileiros.

o amor é uma droga pesada
perde-se a exata dimensão da vida e
o retorno é lento, cheio de falsas visões
cold turkey
me quero de volta e que esses matos voltem a fazer
sentido
sinto falta do mundo sintetizado em sua ordem nos
meus
pensamentos
não esse oco reverberando
mandalas nos ossos do crânio
não a dissolução de todas as certezas
o mundo apenas a sua representação
me contendo me dizendo
a que pertenço afinal
o amor é uma droga pesada
e eu uma velhíssima mulher
gozando pela milésima vez a viagem infernal.


Maria Rita Kehl é psicanalista, poeta, ensaísta. Escreveu dentre outros, "Imprevisão do Tempo" (1979), "O Amor é uma Droga Pesada" (1983), "Processos Primários" (1996). Seu trabalho pode ser acompanhado em: www.mariaritakehl.psc.br/ Ilustra os versos "O beijo", pintura de Gustav Klimt.

6 comentários:

Renato de Mattos Motta disse...

pesado como paixão
que te arranca do cotidiano
e te joga na cama.

Juliana Meira disse...

isso aí poeta Renato!
mas alguém já disse: "a paixão passa" ..
o amor é que é a droga pesada!
(=
obrigada por tua presença!

Alexandre disse...

sim sim sim
Maria Rita Kehl.
"O amor é uma droga pesada"
coisa mais óbvia!

mas o que que tu quer?

entrou
por um dos sete buracos
da minha cabeça essa droga.
entrou. ficou. nem avisou.
não foi mais embora.
e pesou fundo no coração
pelo caminho da aorta.

o meu poema
agora conversa com dois poemas
dois poetas.

quanta glória. a mim
que mal sei ver as horas.

válha-me Deus nossa senhora!

p.s.
tudo isso pra dizer
que meu poema "Guarujá"
citava, sem saber, o poema
que dá nome ao livro da
Maria Rita Kekl. mas terão
de ir lá no meu blog pra conferir.

:)

belo post Ju.
teu blog tá cada vez melhor,
mais afú!

Juliana Meira disse...

tem razão
entra. fica.
que mandar aviso que nada
amor é mesmo droga pesada

diz Maria Rita Kehl
na poesia no título do livro..
e

“não é melhor em pasárgada
mas se o guarujá passa
antes fosse amigo do rei”

diz você Alexandre Brito

(=

ps.: isso aí poeta Alexandre! o poema "Guarujá" do começo ao fim pode ser lido e relido em:
www.alexandre-brito.blogspot.com/
e tenho dito.

Denise disse...

Quero sempre ser dependente dessa droga rsrsrs

Juliana Meira disse...

Denise!
q tri vc por aqui
(=